Data de publicação: 02/04/2024

O PGI, acompanhado pela Diretoria, visita o Brasil para a romaria anual ao Santuário de Aparecida

Conselho Geral Internacional

O Presidente-geral, acompanhado de sua Diretoria, fez uma visita oficial ao Brasil a convite de seu presidente nacional, Márcio José da Silva, para participar com os vicentinos brasileiros da 52ª edição de sua romaria anual à Catedral Basílica Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Esse é um dos eventos mais emocionantes e aguardados pelos membros. Alguns dias antes, a reunião da Diretoria foi realizada em 27 de fevereiro na sede do Conselho Nacional, no Rio de Janeiro.

A reunião tratou de diversos tópicos, como o esboço da proposta de modificação dos Estatutos, relações institucionais com a FAMVIN, questões de Treinamento e Comunicação ou novas propostas para o Plano Estratégico, entre outros. Estiveram presentes o Presidente-geral, Juan Manuel Buergo, o Vice-Presidente Internacional Geral, Ralph Middelcamp, o Tesoureiro Geral, Alfons ten Velde, os Vice-Presidentes, Sebastian Gramajo, Urbanus Muthai e Elaine Heyworth, e o conselheiro religioso Padre José F. Orozco C.M. Além de outros membros do CGI convidados, como John Berry, Presidente da SSVP USA, Julio César Marques Lima, Vice-Presidente de Estrutura e Projetos Especiais e Luz María Ramírez, Vice-Presidente de Formação.

No dia 28, fomos a Juiz de Fora, município do estado de Minas Gerais, para visitar um dos projetos mais inovadores da SSVP Brasil, o Banho Solidário Vicentino. São vans adaptadas para banheiros, com lavatórios, vasos sanitários e chuveiros móveis, a serviço dos moradores de rua. O projeto é coordenado pelo Conselho Central de Santo Antônio. Seu presidente, Vanderson Aparecido Gomes, conhecido por todos como Vandinho, descreveu o entusiasmo e o esforço empreendidos para tornar realidade esse projeto que, desde o início de suas atividades, há três anos, já prestou mais de 10.500 atendimentos com seus 8 caminhões. Vandinho agradeceu ao CIAD (Conselho Internacional de Ajuda ao Desenvolvimento) por seu apoio financeiro e logístico ao projeto, que pretende ser ampliado e replicável. No centro, eles também contam com serviço de guarda-roupa, refeições quentes e um ambiente que visa transmitir vida, esperança e alegria aos moradores de rua. Um projeto chamado “Amor em forma de banho”, que emocionou os participantes por sua eficiência, carinho e proximidade com os assistidos. No final do dia, pudemos desfrutar de um jantar de boas-vindas que compartilhamos com os Conselhos Metropolitanos, os Conselhos Centrais e o Conselho Nacional do Brasil.

Na quinta-feira, dia 29, chegamos ao Santuário de Aparecida, onde as celebrações começaram com uma Santa Missa na basílica presidida pelo Padre Ronaldo Divino de Oliveira. Isso marcou o início da parte mais espiritual da viagem. Em Aparecida, outros brasileiros que fazem parte do Conselho Geral se juntaram à delegação interncional: o confrade Sebastião Ribeiro (Vice-presidente Territorial Internacional para a América do Sul) e confrade Renato Lima de Oliveira (Comissário nas Nações Unidas), 16º Presidente-geral. No dia seguinte, 1º de março, foi feita uma visita ao Lar de Idosos Vila Vicentina Lorena, administrado pelo Conselho Central da SSVP na cidade, e que tem duas outras obras vinculadas: a Vila Vicentina Sagrada Família, também em Lorena, e a Vila Vicentina, na cidade de Piquete. O centro abriga 30 moradores, entre eles Carmen, uma espanhola centenária que nos emocionou com sua conversa e carinho. Fomos acompanhados pela diretoria da Vila Vicentina São Vicente de Paulo de Lorena, com sua presidente Silvia de Fátima Jerônimo, e Amadeu Pelóggia Filho, presidente do Conselho Metropolitano de São José dos Campos, com quem visitamos as instalações. No período da tarde, nas proximidades da Basílica, foi realizado o santo terço da Família Vicentina, onde todos os ramos caminharam juntos em oração.

Sem dúvida, um dos momentos mais emocionantes da visita foi na manhã de sábado, dia 2, com a celebração da Via Sacra até o Morro do Cruzeiro. A música, a amizade e a espiritualidade nos ajudaram a “caminhar juntos na fé”, e o trajeto percorrido por milhares de fieis vicentinos deu sentido e força ao encontro. E, para encerrar o dia, os eventos recreativos aconteceram no Centro de Eventos Padre Vítor Coelho de Almeida, no Santuário de Aparecida, um espaço de 15 mil metros quadrados que foi ocupado por mais de 45 mil vicentinos. O Presidente-geral, acompanhado do Presidente do Conselho Nacional do Brasil, dirigiu algumas palavras aos presentes, demonstrando o apoio do Conselho Geral às Conferências brasileiras e, em especial, às Conferências de jovens. Foi impressionante ouvir milhares de peregrinos vicentinos entoando as canções dedicadas às crianças, aos jovens, às famílias e a todos aqueles que quiseram participar com suas canções e coreografias. Tivemos um show de talentos e um festival cultural, especialmente voltado para os jovens.

O domingo, 3 de março, foi o encerramento do evento com a festa regulamentar que deu lugar à santa missa, presidida por Dom Odair Miguel Gonsalves dos Santos CM, bispo auxiliar da arquidiocese de Porto Alegre. Particularmente emocionante para os espanhois presentes foram as palavras de Willian Alves, vice-presidente nacional, que leu o devocional do Venerável Santiago de Masarnau, fundador das Conferências na Espanha, e pediu orações dos presentes para pedir graças que, por sua intercessão, levassem a um milagre para que seu processo de beatificação pudesse avançar.

Voltamos para nossos países plenos e agradecidos. Como explicou o presidente nacional, Márcio José da Silva, é uma peregrinação que tem como objetivo ser um parêntese para “recarregar as baterias”, nos encher de fé e amizade, para que possamos chegar e continuar a cumprir nossa missão fortalecidos e enriquecidos.

Agradecemos ao Conselho Nacional do Brasil e, especialmente, ao seu presidente nacional Marcio José da Silva, à sua vice-presidente Bete Castro e aos presidentes dos Conselhos e Conferências por essa boa organização e por todo o seu amor e amizade.

“Lágrimas de alegria escapam de meus olhos quando me vejo a uma distância tão grande com nossa pequena família, sempre pequena pela discrição de suas obras, mas grande pela bênção de Deus. Embora falemos idiomas diferentes, nossas mãos sempre se encontram com tanta cordialidade fraternal que eles bem poderiam nos reconhecer pelo mesmo sinal com que reconheceram os primeiros cristãos, vejam como eles se amam!”

Antônio-Frederico Ozanam