A Sociedade de São Vicente de Paulo é uma organização internacional formada por leigos católicos que buscam o crescimento pessoal e espiritual através do serviço aos que mais necessitam.

A origem da Sociedade de São Vicente de Paulo

París. França. 23 de abril de 1833. Um grupo de jovens universitários, diante das desigualdades e injustiças sociais, decidem agir com a esperança de mudar o mundo. Para isso, criam a primeira < Conferência de Caridade >, um grupo de amigos que desejava compartilhar sua fé e que isso se traduzisse em feitos.

Oração e ação se unem para visitar o barrio de Mouffetard, um dos mais pobres de Paris. É uma Filha da Caridade, ir. Rosalía Rendú, que acompanha e guia, instruindo-os nos ensinamentos de São Vicente de Paulo.

Em 1834, as Conferências tornam São Vicente de Paulo o santo patrono e invocam a Virgem Imaculada. No ano seguinte, se edita a primeira Regra e, em 1839, se constitui o Conselho Geral Internacional.

A Sociedade de São Vicente de Paulo hoje

A Sociedade de São Vicente de Paulo está presente em mais de 150 países, conta com 800.000 sócios e 1.500.000 voluntários. Sua ajuda chega, diariamente, a mais de 30 milhões de pessoas.

A SSVP participa como membro associado da UNESCO e como consultora especial no Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC). Também, forma parte do Movimento Católico Mundial pelo Clima e está alinhada com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela Agenda 2030 das Nações Unidas.

A Sociedade de São Vicente de Paulo e a Igreja

A SSVP é juridicamente autónoma em sua existência, constituição, organização, normas atividades e em seu governo interno. Reconhecida como instituição civil na maioria dos países, os vicentinos escolhem suas responsabilidades e gestionam o patrimônio livremente, em conformidade com seus próprios estatutos e a legislação de cada país.

A SSVP mantém uma estreita relação com a Igreja Católica. Atualmente, forma parte do “Dicasterio para os Leigos, a Família e a Vida” e apoia as iniciativas da Santa Sé.