Data de publicação: 23/04/2024

O início da Sociedade de São Vicente de Paulo, 191 anos atrás

Conselho Geral Internacional

Hoje dia 23 de abril de 2024 marca o 211º aniversário do nascimento de Frederico Ozanam e o 191º aniversário da criação da primeira conferência de caridade. Um evento aparentemente insignificante, uma controvérsia sobre a então escassa ação caritativa da Igreja na França, que ocorreu em um debate entre crentes e não crentes em uma conferência de história, gerou um movimento de caridade e amizade mútua que, hoje, reúne centenas de milhares de pessoas em torno do mesmo ideal: seguir Jesus Cristo com fidelidade, servindo-o nas pessoas mais necessitadas de nosso mundo.

As crônicas sobre as origens da primeira conferência beneficente estão todas distantes dos fatos. Não há registros das primeiras reuniões, e o primeiro relato de sua constituição foi escrito mais de um ano depois[1] . Os primeiros membros da Sociedade relutaram em oferecer detalhes específicos sobre as origens da associação e atribuíram sua criação a Deus e à sua providência. No entanto, os testemunhos como um todo nos dão uma imagem suficientemente confiável dos primórdios.

No início de seu segundo ano acadêmico (ou seja, no último período de 1832), Frederico começou a participar das aulas de direito duas vezes por semana. Nelas, “são discutidas questões polêmicas. Em cada caso, há dois advogados e outro que atua como promotor público. Os outros julgam os méritos do caso e os méritos das alegações. Não é permitido ler, então os procedimentos são quase sempre improvisados; são as respostas que exigem mais prática”[2] .

Os estudantes que participavam não eram todos cristãos, e frequentemente havia debates animados, entre os quais “as doutrinas e as obras” do catolicismo não estavam isentas, onde “todas as opiniões são admitidas na tribuna”[3] . Ozanam, Lamache e Lallier formaram um pequeno comitê que preparava os argumentos para as questões levantadas por seus adversários durante os debates: “Um dia, enquanto Lallier conversava com Le Taillandier, este lhe confidenciou seu cansaço com essas discussões, que considerava infrutíferas, e disse o quanto achava preferível que os estudantes católicos fundassem uma associação de piedade e caridade. Essa sugestão, que Lallier comunicou a Ozanam e Lamache, não demorou muito para germinar nas mentes de nossos jovens e reapareceu de repente no final de uma sessão tempestuosa da conferência de história”[4] .

Durante uma das reuniões da conferência de história, possivelmente em meados de fevereiro de 1833, uma das reprovações causou uma profunda impressão em Frederick e seu amigo Le Taillandier: “Sim, vocês têm o direito de falar do passado. Nos dias passados, o cristianismo de fato fazia maravilhas, mas hoje o cristianismo está morto. E vocês, que se gabam de serem católicos, o que fazem? Que obras podem mostrar que comprovem sua fé e nos façam sentir respeito e reconhecimento?”[5] .

O comitê formado por Ozanam, Lallier e Lamache se reuniu pouco tempo depois na casa de Lamache; Lallier, em 1882, lembra-se vividamente da cena: os olhos tristes de Frederic, mas também cheios de ardor e fogo, e sua sugestão de criar um grupo formado exclusivamente por católicos, dedicado exclusivamente à caridade[6] . Depois de uma segunda reunião na casa de outro amigo, Antonin Serre, para a qual Le Taillandier também foi convidado, eles reafirmaram sua intenção de criar um grupo beneficente. Ozanam procurou o tipógrafo Emmanuel Bailly para pedir conselhos sobre como fazer isso, que sugeriu, em um primeiro momento, buscar o conselho do Abade Olivier, o pároco de Saint-Étienne-du-Mont. O Abade recebeu os jovens com gentileza – e também com certa condescendência – e sugeriu que eles dessem aulas de catecismo para os filhos dos trabalhadores da paróquia. A sugestão era inviável: os estudantes procuravam servir diretamente aos necessitados; além disso, dar catequese poderia entrar em conflito, em certas épocas do ano, com seus estudos e exames universitários. Eles voltaram à casa de Bailly para contar ao pároco sobre a visita mal-sucedida, que finalmente “se deixou convencer: mas ele observou que eram apenas quatro, o que não era suficiente para fundar uma obra. Ozanam imediatamente apontou dois outros alunos que assistiam regularmente à aula de história e que ele conhecia bem: Clavé e Devaux. Ele se encarregou de convidá-los a participar do trabalho planejado, e eles aceitaram de bom grado”[7] .

Ao lado da igreja de Saint-Sulpice, Bailly tinha a sede de seu jornal La Tribune catholique (na rue Petit-Bourbon, 18, atual rue Saint-Sulpice, 38). Na terça-feira, 23 de abril, por volta das 20 horas, seis jovens foram ao seu encontro e pediram que ele fosse presidente da conferência de caridade (cargo que ocuparia até 1844).

A reunião começou com a oração do Veni Sancte Spiritus e uma breve leitura da Imitação de Jesus Cristo. Em seguida, Bailly fez um breve discurso, instando-os a santificar suas vidas ajudando os necessitados, assim como ajudariam o próprio Jesus Cristo sofredor, presente na pessoa dos pobres.

O principal objetivo dessa reunião era determinar como ajudar as famílias carentes em suas casas: quais visitar, que tipo de ajuda seria oferecida e de onde viriam os recursos. Foi decidido que, na medida do possível, a ajuda não seria dada em dinheiro, mas em espécie, na forma de cupons de vários fornecedores. Também foi acordado confiar a Devaux a tarefa de ir falar com a filha da instituição de caridade Rosalie Rendu[8] – o Sr. Bailly a conhecia – para pedir a ela uma lista de famílias a serem ajudadas e para implorar que ela “gentilmente cedesse, contra seu valor em dinheiro, alguns dos vales que ela estava usando”[9] . O nome charity conference foi escolhido para identificar o grupo. É provável que o patrocínio de São Vicente de Paulo já tenha sido solicitado nessa primeira reunião. Eles também se comprometeram a levantar os fundos necessários às suas próprias custas, e que cada um contribuiria de acordo com suas posses por meio de uma coleta anônima em cada reunião. Eles nomearam Devaux como tesoureiro e fizeram a primeira coleta em um chapéu. Concordaram em se reunir às terças-feiras de cada semana e terminaram a reunião rezando juntos a antífona mariana Under Your Protection.

Naquela mesma semana, Devaux foi visitar a irmã Rosalie, com uma carta de recomendação do Sr. Bailly. A irmã acolheu calorosamente a iniciativa dos jovens universitários, dando-lhes uma lista de famílias a serem atendidas, bem como alguns vales-alimentação para distribuir. Na segunda reunião da conferência beneficente, em 30 de abril, Devaux compartilhou com o grupo as calorosas boas-vindas e a colaboração da irmã, a quem a Sociedade de São Vicente de Paulo sempre reconheceu como uma pessoa-chave em seu estabelecimento e desenvolvimento. A partir de então, o número de membros aumentou gradualmente, chegando a mais de quinze no final do ano universitário, em agosto de 1833. <p>A partir de então, o crescimento do grupo foi surpreendente.

Os fundadores sempre confiaram a criação da Sociedade de São Vicente de Paulo à providência divina. Atentos ao que hoje chamamos de sinais dos tempos, eles não eram indiferentes à situação social e eclesial de sua época e, atentos às necessidades que viam, procuraram buscar a santidade, viver em amizade e fraternidade e servir aos necessitados, respondendo aos muitos infortúnios que viam ao seu redor.

De muitas maneiras, nosso mundo está passando por tempos sombrios semelhantes aos de quase dois séculos atrás. Há muitas necessidades, mas também muita insensibilidade. Nossa missão, como herdeiros do carisma vicentino de nossos anciãos, é continuar o trabalho que eles realizaram, dando respostas criativas e ousadas aos muitos problemas locais e globais que afetam nosso mundo.

Confrade Francisco Javier Fernández Chento

Coordenador da Comissão Histórica Internacional da Sociedade de São Vicente de Paulo


[1]Esse Relatório sobre as Atividades da Sociedade de São Vicente de Paulo, datado de 27 de junho de 1834, logo se perdeu e só foi encontrado mais de um século depois (em 1955).

[2]Carta a Ernest Falconnet, 5 de janeiro de 1833.

[3]Carta a Ernest Falconnet, 19 de março de 1833.

[4]Albert Foucault, La Société de Saint-Vincent-de-Paul. Histoire de cent ans, p. 15.

[5]Discurso de Ozanam na conferência de Florença, 30 de janeiro de 1853.

[6]Cf. François Lallier, Origins of the Society of St. Vincent de Paul, according to the recollections of its first members, p. 14.

[7]Albert Foucault, op. cit., p. 18.

[8]A irmã Rosalie organizou a distribuição de ajuda do Bureau de bienfaisance do distrito de Mouffetard. O Bureau de bienfaisance era um escritório municipal criado por lei em 27 de novembro de 1796, depois que a Revolução Francesa confiscou as propriedades da Igreja. Eles forneciam assistência aos doentes, idosos e deficientes que não podiam ser acomodados em hospícios.

[9]François Lallier, op. cit., p. 18.