Data de publicação: 02/05/2024

Pier Giorgio Frassati será canonizado durante o Jubileu de 2025

Igreja

Pier Giorgio Frassati, o garoto que adorava levar seus amigos para as montanhas para que eles olhassem “para cima”, será declarado santo no próximo ano. O jovem beato de Turim, amante de Deus e dos homens, será canonizado durante o Jubileu de 2025.

O grande anúncio foi feito esta tarde pelo Prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos, Cardeal Marcello Semeraro, que falou durante a 18ª Assembleia Nacional da Ação Católica Italiana em Sacrofano. “Gostaria de lhes dizer que a canonização do Beato Piergiorgio Frassati está agora clara no horizonte e se aproxima do próximo Ano Jubilar”, disse o cardeal, cujo discurso foi interrompido por um longo aplauso dos mil membros da AC presentes.

Na homilia para o rito de sua beatificação”, acrescentou o prefeito, citando Frassati entre as figuras mais luminosas dos santos que cresceram na Ação Católica, que ocorreu em 20 de maio de 1990, São João Paulo II o chamou de homem das bem-aventuranças; ele também disse que “na Ação Católica ele viveu sua vocação cristã com alegria e orgulho e se empenhou em amar Jesus e ver nele os irmãos e irmãs que encontrou pelo caminho”. Frassati, que nasceu em Turim em 1901 e morreu aos 24 anos, foi um “maravilhoso modelo de vida cristã”, disse Semeraro, que viveu sua juventude, citando João Paulo II, “completamente imerso no mistério de Deus e dedicado ao constante serviço ao próximo”.

O jovem beato de Turim, filho de Alfredo Frassati, diretor histórico do La Stampa de Turim, esteve envolvido desde muito jovem no laicato ativo e, em particular, na Ação Católica e na FUCI (Federação Universitária Católica Italiana), crescendo na fé cristã e no desejo de servir aos mais pobres. Ele é considerado um dos “santos sociais” de Turim, como Dom Giovanni Bosco e Dom Giuseppe Cottolengo, embora ainda não fosse formalmente um santo, por causa de sua vida dedicada aos mais frágeis e marginalizados. “Na santidade de Piergiorgio – continuou Semeraro – há um valor de continuidade com a tradição de sua terra: ele, de fato, foi enxertado na obra de defesa da fé, por meio da caridade prodigalizada no campo da marginalização”. Aos 19 anos, Frassati havia entrado para as Conferências de São Vicente de Paulo, para ajudar os mais necessitados, e aos 21 anos tornou-se terciário dominicano.

Frassati era um jovem entre os jovens, amigo de todos, amante do esporte, da poesia e do alpinismo. No entanto, há também um elemento de novidade”, concluiu o prefeito, “que é o fato de que ele tentou comparar o valor da fé com toda a experiência humana, trabalhando com caridade em todas as áreas: na universidade, no local de trabalho, na imprensa (Pier Giorgio recolhia assinaturas não para o jornal do seu pai, mas para o católico), no compromisso político e partidário, e em todos os lugares em que era necessário defender as liberdades sociais, sempre buscando conceber e incentivar o associacionismo, como uma amizade cristã voltada para o nascimento de um catolicismo social”.

Na última quinta-feira, 25 de abril, durante a audiência na Praça de São Pedro, o Papa Francisco destacou, acrescentou Semeraro, que “a vida das associações encontra seu denominador comum precisamente no abraço da caridade”.

Fonte: https://www.avvenire.it/